AS RESPONSABILIDADES CIVIL E ADMINISTRATIVA DE AGENTES PÚBLICOS FACE À PANDEMIA DE COVID-19 CONFORME A MEDIDA PROVISÓRIA Nº 966/2020 E A INTERPRETAÇÃO RESTRITIVA DE “ERRO GROSSEIRO” EXARADA PELO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL: UMA ANÁLISE A PARTIR DA PERSPECTIVA DO DIREITO DOS DESASTRES

Délton Winter de CARVALHO, Gustavo Vinícius BEN

Resumo


Objetivo: Analisar a MP nº. 966/2020 e a interpretação restritiva exarada pelo STF para averiguar de que modo os agentes públicos brasileiros podem ser responsabilizados civil e administrativamente por suas atuações no combate aos efeitos da pandemia de COVID-19, tendo em vista a necessidade de observação dos standards científicos e dos princípios preventivo e precaucional no que tange à mensuração e ao gerenciamento de riscos vinculados à pandemia.

Metodologia: Utiliza-se a perspectiva metodológica sistêmico-construtivista, as matrizes teóricas do direito dos desastres e da teoria do risco, as abordagens de pesquisa jurimétrica e descritiva, bem como as técnicas de pesquisa bibliográfica e documental.

Resultados: Demonstra-se que a desconsideração de informações científicas por agentes públicos é conduta negligente, imprudente e imperita, incidindo em erro grosseiro aquele que o fizer. Constata-se, também, que a insuficiência de informações sobre determinado ponto relacionado à COVID-19 não exime o agente de responsabilização, tendo em vista os princípios da prevenção (aplicável a cenários de maior certeza) e da precaução (aplicável a cenários de maior incerteza), os quais exigem atuações segundo graus de incerteza envolvidos (risco propriamente dito, ambiguidade, incerteza stricto sensu e ignorância). Se o agente público tiver atuado de acordo com a ciência e os graus de incerteza, tem-se que os princípios da prevenção e da precaução foram respeitados, de maneira que eventual erro não pode ser considerado grosseiro, não atraindo, por si só, a sua responsabilização pessoal nas esferas civil e administrativa.

Contribuições: O presente trabalho delineia a aplicação da MP 966/2020 e da interpretação restritiva do termo “erro grosseiro”, proferida pelo STF, de maneira a esclarecer para gestores e juristas a amplitude da incidência da responsabilidade civil e administrativa no combate aos efeitos da pandemia de COVID-19.

Palavras-chave: COVID-19. MP nº 966/2020. Direito dos Desastres. Responsabilidade Civil. Responsabilidade Administrativa. Agente Público.

 

ABSTRACT

Objective: To analyze the Provisional Measure No. 966/2020 and the restrictive interpretation issued by the STF to find out how Brazilian public agents can be held civilly and administratively responsible for their actions in coping with the effects of the COVID-19 pandemic, given the need for observation of scientific standards and the preventive and precautionary principles with respect to the measurement and risk management linked to the pandemic.

Methodology: It uses the systemic-constructivist methodological perspective, the theoretical matrices of disaster law and risk theory, the approaches of juridical and descriptive research, as well as the techniques of bibliographic and documentary research.

Results: It is demonstrated that the disregard of scientific information by public agents is a negligent, imprudent and unskilled conduct, incurring a gross error whoever does it. It is also noted that the lack of information on a certain point related to COVID-19 does not absolve the agent from liability, considering the principles of prevention (applicable to scenarios of greater certainty) and precaution (applicable to scenarios of greater incertitude), which require actions according to the degree of incertitude involved (risk per se, ambiguity, uncertainty and ignorance). If the public agent has acted in accordance with science and the degrees of incertitude, it follows that the principles of prevention and precaution have been respected, so that any error cannot be considered gross, not attracting, by itself, his personal liability in the tort and administrative spheres.

Contributions: The present paper outlines the application of the Provisional Measurement No. 966/2020 and the restrictive interpretation of the term “gross error”, issued by the Supreme Court, in order to clarify for managers and jurists the extent of the incidence of tort and administrative liability in coping with the effects of COVID-19 pandemic.

Keywords: COVID-19. Provisional Measure No. 966/2020. Disaster Law. Tort Liability. Administrative Liability. Public Officer.


Palavras-chave


COVID-19; MP nº 966/2020; Direito dos Desastres; Responsabilidade Civil; Responsabilidade Administrativa; Agente Público

Texto completo:

PDF

Referências


BINENBOJM, Gustavo; CYRINO, André. O art. 28 da LINDB: a cláusula geral do erro administrativo. Revista de Direito Administrativo, Rio de Janeiro/RJ, Edição Especial: Direito Público na Lei de Introdução às Normas de Direito Brasileiro – LINDB (Lei nº 13.655/2018), p. 203-224, nov. 2018. Disponível em: http://bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/rda/article/view/77655. Acesso em: 12. Jul. 2020.

BRASIL. [Constituição (1988)]. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília: Presidência da República, 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicaocompilado.htm. Acesso em: 04 jul. 2020.

BRASIL. Decreto-Lei nº 4.657, de 4 de setembro de 1942. Lei de Introdução às normas do Direito Brasileiro. Rio de Janeiro: Presidência da República, 1942. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto-lei/del4657compilado.htm. Acesso em: 12 jul. 2020.

BRASIL. Medida Provisória nº 966, de 13 de maio de 2020. Dispõe sobre a responsabilização de agentes públicos por ação e omissão em atos relacionados com a pandemia da covid-19. Brasília: Presidência da República, 2020a. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2019-2022/2020/Mpv/mpv966.htm. Acesso em: 27 jul. 2020.

BRASIL. Supremo Tribunal Federal (Pleno). ADI 6427: decisão liminar. Brasília, 21 mai. 2020b. Disponível em: http://portal.stf.jus.br/processos/detalhe.asp?incidente=5912434. Acesso em: 17 ago. 2020.

BRASIL. Supremo Tribunal Federal (Pleno). Pleno - Agentes públicos devem observar critérios técnicos na pandemia. Brasília, 22 mai. 2020c. 1 vídeo (3 h 37 min 37 s). Publicado pelo canal STF. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=EaLP-IEHH18. Acesso em: 31 jul. 2020.

BRASIL. Supremo Tribunal Federal (Pleno). Pleno – Atos de agentes públicos durante a pandemia. Brasília, 21 mai. 2020d. 1 vídeo (2 h 59 min 38 s). Publicado pelo canal STF. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=puW5TMr7WnU&t=81s. Acesso em: 31 jul. 2020.

CAHALI, Yussef Said. Responsabilidade Civil do Estado. 5. ed. rev., atual. e ampl. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2014.

CAMPANA, Priscilla de Souza Pestana. A cultura do medo na Administração Pública e a ineficiência gerada pelo atual sistema de controle. Revista de Direito, Viçosa/RJ, v. 9, n. 1, p. 189-216, jan.-jun. 2017. Disponível em: https://periodicos.ufv.br/revistadir/article/view/252703892017090107. Acesso em: 12 jul. 2020.

CARVALHO, Délton Winter de. A natureza jurídica da pandemia COVID-19 como um desastre biológico: um ponto de partida necessário para o direito. Revista dos Tribunais. v. 1017, jul. 2020. Disponível em: https://www.prefeitura.sp.gov.br/cidade/secretarias/upload/CEJUR%20-%20PGM/CEJUR%20Clipping/5%c2%aa%20Edi%c3%a7%c3%a3o/Artigos/9.pdf. Acesso em: 25 ago. 2020.

FARBER, Daniel A. Disaster Law and Emerging Issues in Brazil. Revista de estudos constitucionais, hermenêutica e teoria do direito (RECHTD), São Leopoldo/RS, v. 4, n. 1, p. 2-15, jan.-jun. 2012. Disponível em: http://www.revistas.unisinos.br/index.php/RECHTD/article/view/rechtd.2012.41.01. Acesso em: 27 dez. 2019.

MELLO, Celso Antônio Bandeira de. Curso de Direito Administrativo. 25. ed. São Paulo: Malheiros, 2008.

OLIVEIRA, Carlos Elias de. Direito Civil Atual. MP 966: Como fica a responsabilidade dos agentes públicos? – parte 1. [S. l.], 21 mai. 2020. Disponível em: https://www.conjur.com.br/2020-mai-18/direito-civil-atual-mp-966-fica-responsabilidade-agentes-publicos. Acesso em: 19. 07.2020.

OLIVEIRA, Carlos Elias de. Direito Civil Atual. MP 966: Como fica a responsabilidade dos agentes públicos? – parte 2. [S. l.], 21 mai. 2020. Disponível em: https://www.conjur.com.br/2020-mai-19/direito-civil-atual-mp-966-fica-responsabilidade-agentes-publicos. Acesso em: 19.07.2020.

OLIVEIRA, Carlos Elias de. Direito Civil Atual. MP 966: Como fica a responsabilidade dos agentes públicos? – parte 3. [S. l.], 21 mai. 2020. Disponível em: https://www.conjur.com.br/2020-mai-21/direito-civil-atual-mp-966-fica-responsabilidade-agentes-publicos. Acesso em: 17 jul. 2020.

SARAT, Austin; LEZAUN, Javier. Introduction: The Challenge of Crisis and Catastrophe in Law and Politics. In: SARAT, Austin; LEZAUN, Javier. (Eds.) Catastrophe: law, politics, and the humanitarian impulse. Amherst/Boston: University of Massachusetts Press, 2009.

STIRLING, Andy; GEE, David. Science, Precaution, and Pratice. Public Health Reports, v. 117, n. 6, p. 521-533, nov-dez. 2002. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC1497477/. Acesso em: 12 nov. 2019.

SUNDFELD, Carlos Ari et al. Opinião e Análise. Surpresa positiva do STF no julgamento da MP 966: O terraplanismo de alguns controladores públicos saiu vencido da sessão do STF. JOTA, Curitiba, Rio de Janeiro, São Paulo, 22 mai. 2020. Disponível em: https://www.jota.info/opiniao-e-analise/artigos/supresa-positiva-do-stf-no-julgamento-da-mp-966-21052020. Acesso em: 17 jul. 2020.




DOI: http://dx.doi.org/10.21902/revistajur.2316-753X.v1i63.5137

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista Jurídica e-ISSN: 2316-753X

Rua Chile, 1678, Rebouças, Curitiba/PR (Brasil). CEP 80.220-181

Licença Creative Commons

Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.