O ESTADO COMO AGENTE DE FOMENTO NO ATENDIMENTO DA FUNÇÃO SOCIAL NO AMBIENTE URBANO: A UTILIZAÇÃO DE ENERGIAS LIMPAS EM VEÍCULOS AUTOMOTORES

Fernando Gustavo KNOERR, Antônio Joelcio STOLTE

Resumo


RESUMO

Este artigo traz reflexões sobre a importância de políticas públicas objetivando o controle de emissões de agentes poluidores no ar no ambiente urbano. Aborda-se quais os problemas causados pela poluição do ar decorrente da circulação de veículos no ambiente urbano. Aponta-se a existência de tecnologia hábil a promover o bem-estar mediante a melhoria da qualidade do ar. Nesta perspectiva, indaga-se em que medida, o Estado, como agente normativo e regulador promoverá políticas públicas que servirão de indicativo a atividade empresarial na preservação da qualidade do ar? Diante de tais políticas, quais são os deveres e responsabilidade da iniciativa privada, em especial o empresário? Por fim aborda-se a importância do fomento e do agir com responsabilidade no trato da política ambiental com o atendimento da função social da cidade e da empresa.

PALAVRAS-CHAVE: Meio ambiente, fomento, direito urbanístico veículos, função social, empresa.

 

ABSTRACT

This article reflects on the importance of public policies aiming to control emissions of pollutants in the air in the urban environment. It addresses the problems caused by air pollution from the circulation of vehicles in the urban environment. The existence of technology capable of promoting social well-being is emphasized, through the improvement of air quality. In this perspective, it is questioned to what extent, the State, as normative and regulating agent will promote public policies that will serve as indicative the business activity in the preservation of the quality of the air? In the face of such policies, what are the duties and responsibilities of private , especially the entrepreneur? Finally, we discuss the importance of promoting and acting responsibly in the treatment of environmental policy with the attendance of the social function of the city and the company.

KEYWORDS: Environment; Development; Urban Planning Law; Social Function; Business Law;


Referências


ANDERSON, Curtis D.; ANDERSON, Judy. Electric and hybrid cars: A history. McFarland, 2004.

BARAN, Renato; LEGEY, Luiz Fernando Loureiro. Veículos elétricos: história e perspectivas no Brasil. BNDES Setorial, Rio de Janeiro, n. 33, p. 207-224, mar. 2011., 2011.

BARAN, Renato; LEGEY, Luiz Fernando Loureiro. Veículos elétricos: história e perspectivas no Brasil. BNDES Setorial, Rio de Janeiro, n. 33, p. 207-224, mar. 2011., 2011.

BERTONCINI, Mateus Eduardo Siqueira Nunes; OIKAWA, Mariana Mendes Cardoso. O consumo consciente e a educação para o consumo como função social da empresa. Revista Jurídica, v. 4, n. 33, p. 298-319, 2013.

CALIFORNIA AIR RESOURCES BOARD’S. Zero-Emission Vehicle Program Web Page. http:// https://www.arb.ca.gov/html/gloss.htm. Acesso em 28.02.2017

DE MELLO, Rafael Munhoz. Atividade de fomento e o princípio da isonomia. 2015.

FERREIRA, Daniel. A licitação pública no Brasil e sua nova finalidade legal: a promoção do desenvolvimento nacional sustentável. Belo Horizonte: Fórum,2012.

FREIRE, André Luiz. Responsabilidade patrimonial na atividade administrativa de fomento. In Intervenção do Estado no domínio econômico e no domínio social: homenagem ao Professor Celso Antonio Bandeira de Mello / Coordenadoras: Priscilla Sparapani; Renata Porto Adri. Belo Horizonte: Fórum, 2010, p. 169.

GRANZIERA, Maria Luiza Machado. Direito Ambiental, São Paulo: Atlas, 2009.

GRAU, Eros Roberto. A Ordem Econômica na Constituição de 1988. 8 ed. São Paulo: Malheiros, 2003.

JONAS, Hans. O Princípio Responsabilidade Contraponto: Ed.PUC-RIO (2006).p.354 [S.l.] ISBN 978-85-85910-84-6.

KIPERSTOK, Asher. Tecnologias limpas–porque não fazer já o que certamente virá amanhã. Revista TECBAHIA-Revista Baiana de tecnologias, Camaçari-Ba, v. 14, n. 2, p. 45-51, 1999.

MACHADO, Paulo Affonso Leme. Direito ambiental brasileiro.14° ED. São Paulo: Malheiros, 2006.

MAMEDE, Gladston. Direito empresarial brasileiro: empresa e atuação empresarial. v. 1.5ed. São Paulo: Atlas, 2011.

MARQUES, José Roberto. Meio Ambiente Urbano/José Roberto Marques. -2ed.-Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2010.

MARTINS, André Luis Agner Machado. Políticas Públicas, Meio Ambiente e setor energético: A busca por uma matriz energética pautada pela sustentabilidade. In Políticas Públicas: elementos para alcanc do desenvolvimento sustentável./Danielle Anne Pamplona. Curitiba: Juruá,2012.

MATHIEU, P. Mitigation of CO 2 emissions using low and near zero CO 2 emission power plants. International Journal of Energy for a Clean Environment, v. 4, n. 1, 2003.

MELLO, Celso Antônio Bandeira de. Curso de direito administrativo. 32. Ed. São Paulo: Malheiros, 2014.

MIRANDA, Marcos Paulo de Souza. Tutela Constitucional do Patrimônio Cultural Brasileiro: O inventário como um novo instrumento de proteção. In: MIRANDA, Marcos Paulo de Souza; RODRIGUES, José Eduardo Ramos. Estudos de direito do patrimônio cultural. Belo Horizonte: Fórum, 2012

OLIVEIRA, Paulo Augusto de. Regulação e o direito administrativo da escassez. Revista Brasileira de Direito Público – RBDP, Belo Horizonte, ano 14, n. 52, p. 97-117, jan./mar. 2016.

PACHECO, Fabiana. Energias Renováveis: breves conceitos. Conjuntura e Planejamento, v. 149, p. 4-11, 2006.

URBS-Urbanização de Curitiba. http://urbs.curitiba.pr.gov.br/transporte/rede-integrada-de-transporte Acesso em 28.02.2017.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .