AS LIÇÕES DE GIORGIO AGAMBEN SOBRE O POLÍTICO-JURÍDICO EM FACE À PANDEMIA: PROPOSTA PARA UM MODO DE SER DO EXISTENTE RESSURRETO

João Lucas Foglietto de SOUZA, Alessandro Severino Vallér ZENNI, Eduardo Augusto Alves Vera-Cruz PINTO

Resumo


Objetivo: Objetiva-se desenvolver algumas das categorias exploradas por Agamben em suas obras no contexto atual de pandemia. Diante da arqueologia como método incorporado em seu estudo, o texto aprofundará o sentido da vida no coevo, máxime a rarefação ao puramente biológico que a define, inaugurando uma cultura difusa de zoé qualificada, cujo caris é de declínio absoluto da dimensão política e poiética. Paralelamente, para garantir a jaula que enclausura o modus vivendi, a cultura alinhava o modelo jurídico com propensão ao pragmatismo e autopoiese sistêmica, a um só tempo prevenindo e arrastando às soluções prêt-a-porter, fiando-se na linguagem apocalíptica do final dos tempos e no salvacionismo vindouro. A truculência da política e do direito vão minguando o sentido da existência à pura sobrevivência. Um modo de ser gravita no tempo do Messias possibilitando a intuição da Lei do Cristo, uma regra de vida que vai restringindo o direito ao caris natural e excepcional, profanando o dispositivo de captura.

Metodologia: Utiliza-se o método lógico-dialético, onde se busca a realização de uma conexão entre as iminentes reflexões deixadas pelo cenário pandêmico e as relações político-jurídicas.

Resultados: As adversidades demonstradas na pandemia contribuem para uma necessidade de reflexão e remolde do indivíduo, uma reinvenção em sua personalidade atingindo também a esfera judicial.

Contribuição: Remete-se à necessidade de uma reanálise do indivíduo em face da crise sanitária e também na esfera político-jurídica; demonstra-se como necessárias as reflexões acerca da ausência de subjetivismo e sentimentos.

Palavras-chave: Vida nua; Direito; Pandemia; Intuição; Regra de vida

           

ABSTRACT

Objective: The aim is to develop some of the categories explored by Agamben in his works in the current context of the pandemic. Faced with archeology as a method incorporated in its study, the text will deepen the meaning of life in the coeval, maximizing the rarefaction to the purely biological that defines it, inaugurating a diffuse culture of qualified zoe, whose curis is one of absolute decline in the political and poietic dimension. At the same time, to guarantee the cage that encloses the modus vivendi, the culture aligned the legal model with a propensity for pragmatism and systemic autopoiesis, at the same time preventing and dragging to ready-to-wear solutions, relying on the apocalyptic language of the end of times and in the coming salvationism. The brutality of politics and law diminishes the meaning of existence to pure survival. A way of being gravitates in the time of the Messiah, enabling the intuition of the Law of Christ, a rule of life that restricts the right to natural and exceptional caris, profaning the device of capture.

Methodology: The logical-dialectical method used seeks to establish a connection between the imminent reflections left by the pandemic scenario and the political-legal relations.

Results: The adversities demonstrated in the pandemic contribute to a need for reflection and reshaping of the individual, a reinvention of his personality, also reaching the judicial sphere.

Contribution: Refers to the need for a reanalysis of the individual in the face of the health crisis and also in the political-legal sphere, it is shown as necessary reflections on the absence of subjectivism and feelings.

Keywords: Naked life ; Law ; Pandemic ; intuition ; Rule of life


Palavras-chave


Vida nua; direito; pandemia; intuição; regra de vida

Texto completo:

PDF

Referências


AGAMBEN, Giorgio. A comunidade que vem. Trad. António Guerreiro. Lisboa: Presença, 1993.

AGAMBEN, Giorgio. Altíssima Pobreza. Tradução de Selvino Assmann. São Paulo: Boitempo, 2014

AGAMBEN, Giorgio. En qué punto estamos. La epidemia como política. Traducciones del blog de Artilleria Inmamente. Quodlibet. Buenos Aires: Editora Adriana Hidalgo, 2020. p. 73 e seguintes.

AGAMBEN, Giorgio. Homo Sacer: o poder soberano e a vida nua. Trad. Henrique Burigo, Belo Horizonte: Editora UFMG, 2002

AGAMBEN, Giorgio. Il tempo che resta: um comento allaLettera ai Romani. Torino: BollatiBoringhieri, 2000. (O tempo que resta: um comentário à Carta aos Romanos. Trad. Br. Davi Pessoa e Cláudio Oliveira. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2016).

AGAMBEN, Giorgio. O que é um dispositivo, in O que é o contemporâneo. Editora Argos, Chapecó, 2010. p. 09 e 13.

AGAMBEN, Giorgio. Profanações. Trad. Br. Selvino José Assman. São Paulo: Boitempo, 2007. p. 10

BADIOU, Alain. São Paulo, A fundação do universalismo. São Paulo: Boitempo, 2009.

BARCELLOS, Ana Paula de. A eficácia jurídica dos princípios constitucionais – O princípio da dignidade da pessoa humana. Rio de Janeiro – São Paulo: Renovar, 2002.

BENJAMIN, Walter. O capitalismo como religião. São Paulo: Boitempo Editorial, 2013

BERGSON, Henri. A energia espiritual. Trad. Rosemary Costhek Abílio. SP: WMF Martins Fontes, 2009.

BERGSON, Henri. As Duas Fontes da Moral e da Religião. 216. ed. Francesa. Tradução de Nathanael C. Caexeiro. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1976.

BERGSON, Henri. A evolução criadora. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

DESCARTES, René. Discurso do método; Meditações; Objeções e respostas; As paixões da alma; Cartas. 2. ed. Tradução: J. Guinsburg e Bento Prado Júnior. São Paulo: Abril Cultural, 1979.

GIACÓIA JUNIOR, Oswaldo. Heidegger Urgente: Introdução a um novo pensar. São Paulo: Três estrelas, 2013.

HARARI, Yuval Noah. 21 lições para o século 21. Tradução Paulo Geiser. – 1. ed. – São Paulo: Companhia das Letras, 2018.

LIBERA, Alain de. Filosofia Medieval. Traduçao Nicolás Nyimi Campanario e Ivone Maria de Campos Teixeira e Silva. São Paulo: Edições Loyola, 1.993, p. 420 e seguintes.

ROUSSEAU, Jean-Jacques. O Contrato Social: princípios do direito político. (Tradução de Antônio de Paula Danesi; revisão da tradução de Edson Darci Heldt). 4. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2006.

WOLFF, Francis. Nossa humanidade. De Aristóteles às neurociências. São Paulo: Unesp, 2013.

VALDATI, Nilcéia. A poesia para Giorgio Agamben. Revista FronteiraZ, n.º 16, p.59-76, julho de 2016 Disponível em: https://revistas.pucsp.br/fronteiraz/article/view/26646. Acesso em: 24 set. 2020.




DOI: http://dx.doi.org/10.21902/revistajur.2316-753X.v3i65.5186

Apontamentos





Revista Jurídica e-ISSN: 2316-753X

Rua Chile, 1678, Rebouças, Curitiba/PR (Brasil). CEP 80.220-181

Licença Creative Commons

Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.