IMPLICAÇÕES JURÍDICAS DO USO DA INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL NO PROCESSO EDUCACIONAL: PODE A MÁQUINA SUBSTITUIR UM PROFESSOR HUMANO?

Valéria Silva Galdino CARDIN, Matheus Ribeiro de Oliveira WOLOWSKI

Resumo


Objetivo: Realizar uma abordagem teórica acerca dos avanços da inteligência artificial na sociedade contemporânea, sobretudo as tecnologias que comportam algoritmos de Machine Learning e Deep Learning no processo educacional. Por já estarem sendo utilizados, emergem-se preocupações acerca da possibilidade de uma eventual substituição integral do professor humano pelas máquinas no futuro, ante o aumento exponencial da Inteligência Artificial. Ademais, reflexos na responsabilização civil decorrente de eventuais conclusões errôneas advindas da inteligência artificial, bem como o respeito à singularidade dos alunos frente à tutela de direitos de personalidade engendram inquietação no mundo acadêmico.

Metodologia: Utilizando-se do método teórico, este trabalho buscou doutrinas nacionais e internacionais jurídicas, filosóficas e da área da saúde, a fim de apontar caminhos para a solução das problemáticas suscitadas ao longo trabalho.

Resultados: Analisou-se a utilização dos robôs “Elias”, "Bina 48: e o “Projeto Impact”, demonstrando-se que houve inovação do processo educacional, mas problemas que precisam ser solucionados por seres humanos, sobretudo o desenvolvimento social dos educandos e a expressão e conceitos que a IA não consegue desenvolver.

Contribuições: Considerando o arcabouço jurídico nacional e internacional que busca tutelar a dignidade humana, concluiu-se que a inteligência artificial deve estar cada vez mais presente nos processos educacionais, mas sempre resguardando a presença, supervisão e soberania do ser humano na tomada de decisões, de modo a assegurar a proteção jurídica para eventuais discussões relativas à responsabilidade civil e tutela de direitos da personalidade.

Palavras-chaves: Inteligência Artificial. Educação. Direitos da personalidade. Dignidade humana.

 

ABSTRACT

Objective: o carry out a theoretical approach about the advances of artificial intelligence in contemporary society, especially the technologies that include Machine Learning and Deep Learning algorithms in the educational process. As they are already being used, concerns are emerging about the possibility of an eventual full replacement of the human teacher by machines in the future, given the exponential increase in Artificial Intelligence. In addition, reflections on civil liability resulting from possible erroneous conclusions arising from artificial intelligence, as well as respect for the uniqueness of students facing the tutelage of personality rights engender unease in the academic world.

Methodology: Using the theoretical method, this research sought national and international legal, philosophical and health doctrines in order to point out ways to solve the problems raised during the work.

Results: The use of robots “Elias”, "Bina 48: and the“ Project Impact ”was analyzed, demonstrating that there was innovation in the educational process, but problems that need to be solved by human beings, especially the social development of students and the expression and concepts that AI cannot develop.

Contributions: Considering the national and international legal framework that seeks to protect human dignity, it is concluded that artificial intelligence must be increasingly present in educational processes, but always safeguarding the presence, supervision and sovereignty of human beings in decision-making, in order to ensure legal protection for any discussions related to civil liability and protection of personality rights.

Keywords: Artificial intelligence. Education. Personality rights Human dignity.


Palavras-chave


Inteligência Artificial; Educação; Direitos da personalidade; Dignidade humana.

Texto completo:

PDF

Referências


ADORNO, Theodor W. Educação para quê? In: Educação e emancipação. São Paulo: Paz e Terra, p. 139- 154, 2005.

ANDRADE, Mariana Dionísio de; PINTO, Eduardo Régis Girão de Castro; BARROSO, Ana Beatriz de Mendonça; LAVÔR, Amanda Rodrigues. Tecnologia e inovação: a replicabilidade do Projeto VICTOR como ferramenta de inteligência artificial do Supremo Tribunal Federal para outros sistemas. In: 6º Congresso Internacional do Direito da Lusofonia, Fortaleza, 2019.

AOUN, Joseph. E. Robot-proof: higher education in the age of artificial intelligence. Cambridge, MA: MIT Press, 2017.

ARISTÓTELES. A política. São Paulo: Martin Claret, 2009.

BARFIELD, Woodrow. Liability for autonomous and artificially intelligent robots.Paladyn, Journal of Behavioral Robotics, v. 9, 1. ed., 2-18, p. 193-203.

BURRELL, J. How the machine ‘thinks’: Understanding opacity in machine learning algorithms Big Data & Society, 2016. Disponível em: http://ssrn.com/abstract=2660674 . Acesso em: 27 jun. 2020.

CAMPOS, L. F. A. de A.; LASTÓRIA, L. A. C. N. Semiformação e inteligência artificial no ensino. [s. l.], 2020. Disponível em: https://search.ebscohost.com/login.aspx?direct=true&db=edsbas&AN=edsbas.9BC26A65〈=pt-br&site=eds-live . Acesso em: 2 jul. 2020.

DA SILVA, Flávia Gonçalves. Subjetividade, individualidade, personalidade e identidade: concepções a partir da psicologia histórico-cultural. Psicologia da Educação. Programa de Estudos Pós-Graduados em Educação: Psicologia da Educação, n. 28, 2009. Disponível em: https://revistas.pucsp.br/psicoeduca/article/viewFile/43108/28665 Acesso em: 10 jul. 2020.

DAS, K. N., Editor et al. Personality Identification from Social Media Using Deep Learning: A Review. Soft Computing for Problem Solving : SocProS 2018, V. 2, [s. l.], Advances in Intelligent Systems and Computing, p. 523, 2020. Disponível em: https://search.ebscohost.com/login.aspx?direct=true&db=edssmt&AN=springer.978.981.15.0184.5.Chapter.45〈=pt-br&site=eds-live . Acesso em: 21 jun. 2020.

DOMENICI, Thiago. Faculdades da Laureate substituem professores por robôs sem que alunos saibam. Folha de São Paulo, 2 mai. 2020. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/educacao/2020/05/faculdades-da-laureate-substituem-professores-por-robo-sem-que-alunos-saibam.shtml Acesso em: 08 jul. 2020.

EUROPEAN COMISSION. Communication from the commission to the european parliament, the european council, the council, the european economic and social committee and the committee of the regions. Artificial Intelligence for Europe, 2018. Disponível em: https://ec.europa.eu/digital-single-market/en/news/communication-artificial-intelligence-europe Acesso em 27 jun. 2020.

FLÔRES, M. L. P.; VICARI, R. M. Inteligência Artificial e o Ensino Com Computador. [s. l.], 2005. Disponível em: https://search.ebscohost.com/login.aspx?direct=true&db=edsbas&AN=edsbas.1C484684〈=pt-br&site=eds-live. Acesso em: 2 jul. 2020.

FLUSSER, Vilém. Para uma escola do futuro. Facom, v. 15, p. 4-7. 2005, Disponível em: http://www .faap.br/revista_faap/revista_facom/facom_15/_flusser.pdf Acesso em: 1 jul. 2020.

FORBES. Professores tecnológicos: escola finlandesa testa robôs educadores, 27 mar. 2018. Disponível em: https://forbes.com.br/colunas/2018/03/professores-tecnologicos-escola-finlandesa-testa-robos-educadores/ Acesso em: 2 jul. 2020.

GALVÃO, Vinicius; MACIEL, Cristiano. Reflexões sobre a imortalidade digital em contextos educativos. Revista communitas, v. 4, n. 7, p. 59-78, 2020. Disponível em: https://periodicos.ufac.br/index.php/COMMUNITAS/article/view/3192 Acesso em: 14 jul. 2020.

GARCÍA-PEÑALVO, F. J. Una introducción a la inteligencia artificial. [s. l.], 2019. DOI 10.5281/zenodo.3164370. Disponível em: https://search.ebscohost.com/login.aspx?direct=true&db=edsbas&AN=edsbas.C7258344〈=pt-br&site=eds-live . Acesso em: 07 jun. 2020.

GRUSCHKA, Andreas. Escola, didática e indústria cultural. In F. A. Durão, A.Zuin,&A. F.Vaz. A indústria cultural hoje. São Paulo: Boitempo, p. 173-183, 2008.

KANT, Immanuel. Fundamentação da metafísica dos costumes. São Paulo: Martin Claret, 2002.

PIMENTEL JÚNIOR, Gutenberg Farias. Perspectiva de personalidade para inteligências artificiais. 2013. 22f. Monografia (Conclusão de curso) – Centro de Ciências Jurídicas, Universidade Estadual da Paraíba, Campina Grande, 2013.

SOARES, Marcelo Negri; KAUFFMAN, Marcos Eduardo; CHAO, Kuo-Ming; SAAD, Maktoba Omar. New Technologies and the Impact on Personality Rights in Brazil. In: Revista Pensar, Fortaleza, v.25, n.1, p.1-12, jan/mar, 2020. Disponível em: https://periodicos.unifor.br/rpen/article/view/9969 Acesso em: 08 jun. 2020.

SOARES, Marcelo Negri; KAUFFMAN, Marcos Eduardo; SALES, Gabriel Mendes de Catunda. Avanços da comunidade europeia no direito de propriedade intelectual e indústria 4.0: extraterritorialidade e aplicabilidade do direito comparado no Brasil. Revista do Direito, Santa Cruz do Sul, v. 1, n. 57, july 2019. ISSN 1982-9957. Disponível em: https://online.unisc.br/seer/index.php/direito/article/view/13618 . Acesso em: 01 jun. 2020.

STAATS, Sabrina Daiane. O dever de proteção aos direitos fundamentais frente a utilização de Inteligência Artificial no poder judiciário. In: Revista Brasileira de Inteligência Artificial e Direito – RBIAD, v. 1, n. 1, p. 1-18, 2020. Disponível em: https://rbiad.com.br/index.php/rbiad/article/view/3 Aceso em: 08 jun. 2020.

TEPEDINO, Gustavo; SILVA, Rodrigo da Guia. Desafios da inteligência artificial em matéria de responsabilidade civil. Revista Brasileira de Direito Civil – RBDCivil, Belo Horizonte, v. 21, p. 61-86, jul./set. 2019.




DOI: http://dx.doi.org/10.21902/revistajur.2316-753X.v1i63.5139

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista Jurídica e-ISSN: 2316-753X

Rua Chile, 1678, Rebouças, Curitiba/PR (Brasil). CEP 80.220-181

Licença Creative Commons

Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.