O DIREITO AO ESQUECIMENTO COMO UMA DECORRÊNCIA DO PRINCÍPIO DA DIGNIDADE DA PESSOA HUMANA

LUCIANO EHLKE RODRIGUES, CLAYTON REIS, IRENE PORTELA

Resumo


Objetivo - O objetivo da pesquisa foi analisar como o instituto do direito ao esquecimento surgiu no mundo jurídico e de que modo pode se enastrar com o princípio da dignidade da pessoa humana no direito Brasileiro.

 

Metodologia – Utilizamos os métodos lógico e dedutivo por meio da análise de artigos científicos, do Código Civil Brasileiro, da Constituição da República Federativa do Brasil de 1988, além da doutrina e revisão de literatura.

 

Resultados – Os resultados demonstram que o direito ao esquecimento vem sendo invocado em países da Europa e no Brasil de modo a preservar o princípio da dignidade da pessoa humana, que coloca o ser humano como elemento central do direito a partir da concepção dos direitos humanos após a Segunda Guerra Mundial, o que permitiu a constitucionalização do direito civil, além de preservar o direito fundamental à privacidade como direito da personalidade.

 

Contribuições – A principal contribuição deste artigo é demonstrar em que medida o Poder Judiciário vem enfrentando o tema, inovado sob a ótica da prevalência do direito ao esquecimento, como um atributo do princípio da dignidade da pessoa humana, a partir do famoso caso Mario Costeja x Google Spain, que servirá como base para o julgamento do RE 1010606, com repercussão geral reconhecida e pendente de julgamento no Supremo Tribunal Federal, tendo como relator o Ministro Dias Toffolli.


Palavras-chave


direito ao esquecimento; dignidade da pessoa humana; eficácia; direitos fundamentais.

Texto completo:

PDF

Referências


AQUINO, Tomás de. Suma contra os gentios. Tradução: D. Odilão Moura; D. Ludgero Jaspers. Porto Alegre: Escola Superior de Teologia São Lourenço de Brindes: Sulina; Caxias do Sul: Universidade de Caixas do Sul, 1990.

BAUMAN, Zygmunt. Modernidade Líquida. Tradução: Plinio Dentzien. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2001.

BRASIL. Lei n.º 13.709/2018. Lei Geral de Proteção de Dados. Disponível em: . Acesso em 10 jun. 2019

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília, 1988. Disponível em: . Acesso em 10 dez. 2019.

BRASIL. Código civil de 2002. Brasília, 2002. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2002/L10406compilada.htm>. Acesso em 10.fev. 2020.

CASTELLS, Manuel. A sociedade em rede. Tradução: Roneide Venãncio Majer. São Paulo: Paz e Terra, 1999.

CASTRO, J. Geografia da fome (o dilema brasileiro: pão ou aço). Rio de Janeiro: Antares ACHIAMÉ; 1946.

ENGELS, Friedrich. A situação da classe trabalhadora na Inglaterra. Tradução: B.A. Schumann. São Paulo: Boitempo, 2007.

FERNANDES, David Augusto. Ânodo do sacrifício: a pobreza e a indignidade da pessoa humana. Revista Jurídica- UNICURITIBA, vol. 03, n.º 48, Curitiba, 2017. Disponível em: < http://revista.unicuritiba.edu.br/index.php/RevJur/article/view/2182/1362>. Acesso em: 18. dez. 2019.

GOMES, Joaquim B. Barbosa. Agências Reguladoras: A Metamorfose do Estado e da Democracia Uma Reflexão de Direito Constitucional e Comparado). In: CLEVE, Clemerson Merlin; BARROSO, Luís Roberto (org.). Doutrinas Essenciais. Direito Constitucional. Volume VI. Constituição Financeira, Econômica e Social. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2011.

GONÇALVES, Carlos Roberto. Direito Civil brasileiro. São Paulo: Editora Saraiva, 12 edição, 2014.

HARARI, Yuval Noah. 21 lições para o século 21. Tradução: Paulo Geiger. São Paulo: Companhia das Letras, 2018.

HERRERA FLORES, Joaquin. A (re) invenção dos direitos humanos. Tradução de: Carlos Roberto Diogo Garcia; Antônio Henrique Graciano Suxberger; Jefferson Aparecido Dias. Florianópolis: Fundação Boiteux, 2009.

JOÃO XXIII. Carta Encíclica Pacem in Terris. 1963.

JOÃO XXIII. DECRETO DIGNATIS HUMANAE SOBRE A LIBERDADE RELIGIOSA. In: ______ Compêndio do Vaticano II Constituições Decretos Declarações. Petrópolis: Vozes, 2000.

LEITE, Huanderson Silva. Liberdade Religiosa: ligação entre o artigo 18 da Declaração Universal dos Direitos Humanos e o Decreto Dignitatis Humanae. Anais do III Congresso Internacional de Doutrina Social da Igreja, IV Simpósio Internacional do PEPG em Teologia da PUC-SP e XLIII Congresso Brasileiro de Teologia Moral. Organizadores: Gilvan Leite de Araújo, Matthias Grenzer. São Paulo: PUC-SP, 2018.

LUÑO, Antonio Enrique Pérez. Derechos Humanos, Estado de derecho y Constitucion, 4ª ed, Madrid, Tecnos, 1991.

ORWELL George. 1984. Tradução: Alexandre Hubner; Heloisa Jahn. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

PIOVESAN, Flávia. Direitos humanos e o direito constitucional internacional. São Paulo: Max Limonad, 2004.

OLIVEIRA, José Sebastião de; SANTOS, Diego Prezzi. DIGNIDADE, DIREITOS FUNDAMENTAIS E DIREITOS DA PERSONALIDADE: UMA PERSPECTIVA GARANTISTA PARA A DEMOCRACIA SUBSTANCIAL. Revista Jurídica - UNICURITBA, v. 2, n. 59, p. 343 - 358, abr. 2020.

POLANYI, Karl. A grande transformação: as origens de nossa época. Tradução de Fanny Wrabel. - 2. ed.- Rio de Janeiro: Compus, 2000.

RIBEIRO, Diaulas Costa; SANTOS, Júlio Edstron S.; LOBO, Júlia Afonso. O direito fundamental ao esquecimento: uma análise comparativa da experiência brasileira e europeia. Revista Jurídica- UNICURITIBA, vol. 04, n.º 45, Curitiba, 2016. Disponível em: . Acesso em: 18. jan. 2020.

ROCHA, Carmen Lúcia Antunes. A dignidade da pessoa humana e o mínimo existencial. Revista de Direito Administrativo. Disponível em: . Acesso em 10. Abr. 2020.

SARLET, Ingo Wolfang; MARINONI, Luiz Guilherme; MITIDIERO, Daniel. Curso de direito constitucional. 5. ed. São Paulo: Saraiva, 2016.

SEN, Amartya. Desenvolvimento como liberdade. Tradução: Laura Teixeira Motta. São Paulo: Companhia das Letras, 2010.

TARTUCE, Flávio. Manual de Direito Civil. Volume único. São Paulo: Editora Forense, 6 ed., 2016.




DOI: http://dx.doi.org/10.21902/Revrima.v3i28.4543

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista Relações Internacionais do Mundo Atual e-ISSN: 2316-2880

Rua Chile, 1678, Rebouças, Curitiba/PR (Brasil). CEP 80.220-181

Licença Creative Commons

Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.