Economia Colaborativa: perfil das empresas de coworking em Palmas (Tocantins)

Delson Henrique Gomes, Valtuir Soares Filho, Pablo Vinícius Miranda

Abstract


O coworking ainda é fenômeno recente no Brasil, os primeiros movimentos de implementação dessa iniciativa em nosso país datam de 2007, mostrando-se como tendência cada vez maior no mercado de trabalho atual. O objetivo desse estudo é apresentar o perfil dos negócios nas empresas de coworking de Palmas/TO, identificar os benefícios que as empresas de coworking em Palmas/TO oferecem aos seus clientes. A fundamentação teórica realizou-se através da pesquisa bibliográfica. A pesquisa bibliográfica utilizou da literatura disponível, tais como livros, artigos acadêmicos, revistas especializadas, jornais, revistas, teses e dissertações que abordam o tema coworking. A coleta de dados foi realizada através de questionário distribuídos via e-mail, seguido de entrevista semiestruturada. Concluímos, que essa opção pode se tornar uma forma de inclusão de novos profissionais, aproximando-os cada vez mais dos espaços já existentes. Desse modo, percebe-se que o sistema de coworking já possui muitos adeptos no Brasil e a tendência é se espalhar ainda mais pois esse espaço é uma forma de otimizar os trabalhos e driblar a crise econômica estabelecida no país.


Keywords


Coworking; Escritório Compartilhado; Escritório Virtual; Economia Colaborativa

References


BAUMAN, Zygmunt. Bauman sobre Bauman: diálogos com Keith Tester. Zahar, 2011.

BARBOSA, José Vinicius Santos; ROJO, Claudio Antonio. Perspectivas dos Usuários em um Espaço Coworking. I CINGEN- Conferência Internacional em Gestão de Negócios 2015 Cascavel, PR, Brasil, 16 a 18 de novembro de 2015. Disponível em: http://cac-php.unioeste.br/eventos/cingen/artigos_site/convertido/1_Estrategia_e_Competitividade/Perspectivas_dos_Usuarios_em_um_Espaco_Coworking, acesso em: 14/05/2018.

CARDOSO, Marina Bittencourt. Consumo colaborativo cresce e traz ganhos ambientais. 2016. http://www.portalcomunicare.com.br/consumo-colaborativo-cresce-e-traz-ganhos-ambienyais/, acesso em: 16/05/2016.

DALLA VALLE, Nathália. Motivações e Envolvimento no Consumo Colaborativo de Vestuário por Usuários das Plataformas da Internet. Universidade Federal do Rio Grando do Sul. 2014. Disponível em: http://www.engema.org.br/XVIENGEMA/50.pdf, acesso em: 14/05/2018.

ECHEGARAY, Fabián. O consumo colaborativo e o consumidor brasileiro. 2015. Disponível em: http://marketanalysis.com.br/wp-content/uploads/2017/04/2015-Market-Analysis-O-consumo-colaborativo-e-o-consumidor-brasileiro.pdf, acesso em: 16/05/2018.

GALVÃO, Olímpio J. de Arroxelas. Clusters’ e distritos industriais: estudos de casos em países selecionados e implicações de política. 2000. Disponível em: http://www.ipea.gov.br/ppp/index.php/PPP/article/view/85/154, acesso em: 13/05/2018.

GIANNELLI, Márcio Augusto. COWORKING: O porquê destes espaços existirem! Estudo sobre espaços de Coworking na cidade de São Paulo e sua importância arquitetônica na Era da Informação. São Paulo-SO. 2016

GREENHALGH, David; TAYLOR, Robert. Papers that go beyond numbers (qualitative research). 1997.

ISNARD, Paulo; NEVES, Jorge Tadeu de Ramos; CARVALHO, José Marcos de Carvalho. COWORKING: Estudo bibliométrico no estabelecimento de um novo modelo de negócio. Anais do VI SINGEP – São Paulo – SP – Brasil – 13 e 14/11/2017. Disponível em: https://singep.org.br/6singep/resultado/89.pdf, acesso em: 14/05/2018.

LIMA, Gustavo F. da Costa. O debate da sustentabilidade na sociedade insustentável. Política e Trabalho, João Pessoa, v. 13, p. 201-222, set. 2007. Disponível em: http://periodicos.ufpb.br/ojs/index.php/politicaetrabalho/article/view/6404/3980, acesso em: 16/05/2018 .

MEDINA, Paloma Fraga; KRAWULSKI, Edite. Coworking como modalidade e espaço de trabalho: uma análise bibliométrica. Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC, Brasil. 2015. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/cpst/article/view/125804, acesso em:14/04/2018.

MUNHOZ, Camila Eduarda de Oliveira. Comércio Eletrônico: identificando tendências e mensurando iniciativas e resultados. Limeira-SP, 2015.

MURAYAMA, Anna Yuri Miranda. Coworking e a evolução dos espaços de escritório até hoje. 2015. Disponível em: https://meuartigo.brasilescola.uol.com.br/atualidades/coworking-evolucao-dos-espacos-escritorio-ate-hoje.htm, acesso em: 13/04/2018.

OLIVEIRA, Ventura de; FILHO, Freitas. Espaços de Coworking como Fomentadores ao Ecossistema Empreendedor: O caso brasileiro do CUBO. 2016. Disponível em : http://www.revistaespacios.com/a16v37n27/16372720.html, acesso em: 10/05/2018.

PRODANOV, Cleber Cristiano. Metodologia do trabalho científico [recurso eletrônico] : métodos e técnicas da pesquisa e do trabalho acadêmico. 2. ed. – Novo Hamburgo: Feevale, 2013. Disponível em: http://www.feevale.br/Comum/midias/8807f05a-14d0-4d5b-b1ad-1538f3aef538/E-book%20Metodologia%20do%20Trabalho%20Cientifico.pdf, acesso em: 14/05/2018.

SEBRAE. Co-working é uma boa prática para os pequenos negócios. 2015. Disponível em:www.sebrae.com.br/sites/PortalSebrae/artigos/Co–working-é-uma-boa-prática-paraos-pequenos-negócios. acesso em: 13/05/2018.

SILVA, Juliano Domingues et. al. Economia colaborativa: uma análise da relação entre valores pessoais, formas de colaboração e efeito dotação. CLAV 2016. Latin American Retail Conference.

SILVEIRA, Alexandre Borba. Economia colaborativa: reflexões a partir da literatura. DESENVOLVE: Revista de Gestão do Unilasalle, Canoas, v. 6, n. 2, p. 143-161, jul. 2017. Disponível em: http://revistas.unilasalle.edu.br/index.php/desenvolve.

SOARES FILHO, Valtuir. Integração Empresarial para Otimização dos Recursos Econômicos, Sociais e Ambientais: Análise do Distrito Eco Industrial de Palmas /TO. Curitiba-PR: Appris, 2019.

VASCONCELOS, Deborah S. de. Consumo colaborativo e meio ambiente: Um estudo da relevância da preocupação com a questão ambiental e da crítica ao consumismo em redes autogestionadas. Niterói, 2016. Disponível em:https://app.uff.br/riuff/bitstream/1/3462/1/disserta%C3%A7%C3%A3o%20d%C3%A9borah%20vasconcelos%20-%20vers%C3%A3o%20banca.pdf, acesso em: 16/05/2018.




DOI: http://dx.doi.org/10.28950/compliance.v13i1.4754

Refbacks

  • There are currently no refbacks.