TERRITÓRIO E FOME, CONCEITOS E REFLEXÃO

Mariana Pereira, Rafael Alves de Lima, Wagner Williams Alves, Vanessa Maria Ludka

Resumo


O território é algo de intensa necessidade de pesquisa, devido a sua complexidade. Atos, cultura, sociedade, relações de poder, enfim, uma série de questões que nos remete ao pensamento de como tudo isso está impregnado no local onde se desenvolveu, se torna fascinante pensar nos amores, no passado glorioso, no desenvolvimento social que um território pode apresentar. O presente artigo, inicialmente, discute os conceitos de território, desterritorialização e fome. A criação de territórios é entendida como territorialização, e sua destruição se entende por desterritorialização, seja ela em qualquer escala temporal, por menor que ela seja, e sua recriação se explica pelos processos de reterritorialização. O fenômeno da fome ocorre dentro de um território, e discuti-la não é uma tarefa fácil, já que a fome pode ser distinguida em diferentes formas segundo Josué de Castro: a endêmica ou epidêmica nas massas humanas, podendo não ser a fome de forma total, e sim a fome crônica, denominada também como fome oculta. Nesta, há falta de elementos nutritivos na alimentação cotidiana, um fenômeno que corrói silenciosamente inúmeras populações do mundo.


Referências


ALBUQUERQUE, Roberto Cavalcanti de. A nova Geografia da Fome e da Pobreza. Rio de Janeiro: José Olympio, 2004. p. 27-77.

BRASIL. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. O Brasil sem miséria / Organizadores: Tereza Campello, Tiago Falcão, Patricia Vieira da Costa. – Brasília: MDS, 2014.

CASTRO, Josué de. Geografia da Fome. Rio de Janeiro: Edições Antares. 1984.

CASTRO, J. O Livro Negro da Fome. 2ª ed. São Paulo: Editora Brasiliense, 1966

CASTRO, Josué de. Geopolitica da fome. 8.ed. São Paulo/SP: Brasiliense S.A., 1968 (a). v.1 (p.9 – 210) / (b). v.2 (p.211 – 467)

CASTRO, Josué de. Fome: um tema proibido – últimos escritos de Josué de Castro/ Organizadora: Anna Maria de Castro. – Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

CHELOTTI, Marcelo Cervo. A dinâmica territorialização-desterritorialização-reterritorialização em áreas de reforma agraria na campanha gaúcha. In: CAMPO-TERRITORIO: revista de geografia agraria. 2013. p.1-25. v.8

DELUESE, G.; GUATTARI, F.Mil platôs – capitalismo e esquizofrenia. Tradução Peter PálPelbart e Janice Caiafa. São Paulo: Ed. 34, 1997. v.5

IANNI, O. A desterritorializaçõ. In: _____A sociedade global. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1995. p. 89-105

GRECO, Riccardo. Literatura e Fome: Representações da velha luta entre opulência e miséria. São Paulo: Baleia na rede, 2007.

HAESBAERT, R. Des-territorialização e identidade:a rede gaúcha no Nordeste. Niterói: Eduff, 1997. In___ Territórios alternativos. Niterói: Eduff; São Paulo: Contexto, 2002.

MINAYO, Maria Cecília de Souza. NETO, Otávio Cruz. Introdução: RAÍZES DA FOME. In: MINAYO, Maria Cecília de Souza. Raízes da Fome. – 2. ed. Petrópolis: Editora Vozes ltda e FASE – Federação de Órgãos para Assistência Social, 1986.

OLIVEN, R. G. Território, fronteiras e identidade. In: SCHURLER, F.; BARCELLOS, M de A. (Org.) Fronteiras:arte e pensamento na época do multiculturalismo. Porto Alegre: Sulina, 2006. P. 157-166.

ROCHA, Sonia. ALBUQUERQUE, Roberto Cavalcanti de. Geografia da pobreza extrema e vulnerabilidade à fome. In: VELLOSO, João Paulo dos Reis.

SAQUET, M. A. Os tempos e os territóriosda colonização italiana: o desenvolvimento econômico da Colônia Silveira Martins (RS). Porto Alegre: Edições Est, 2003.

STOPER, M. Territorialização numa economia global: possibilidades de desenvolvimento, tecnológico, comercial e regional em economias subdesenvolvidas. In: LAVINAS, L. ; CARLEIAL, L. M. da F.; NABUCO, M. R. (Org) Integração, região e regionalismo. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1994, p.13-26.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .